Ir para conteúdo

União de Vereadores participa de vistoria técnica no Aeroporto de Itanhaém nesta quinta-feira

Uvebs acompanha tratativas no local desde o início e reivindica o retorno da Petrobrás, além de um projeto turístico de voos regionais, valorizando a Baixada Santista

A União dos Vereadores da Baixada Santista (Uvebs) participa nesta quinta-feira, dia 5, às 10 horas, de vistoria técnica no Aeroporto Antônio Ribeiro Nogueira Júnior, de Itanhaém.  O encontro conta com a participação de representantes do Consórcio Voa São Paulo, que administra o aeródromo desde 2017.

O objetivo da Uvebs — que acompanha as tratativas no local desde 2015, quando já reivindicava investimentos para o aprimoramento do aeroporto — é sugerir ao Governo do Estado um projeto de voos regionais, valorizando o turismo na Baixada Santista.

A ideia corre em paralelo com a necessidade de reaver a parceria com a Petrobrás, que chegou a investir cerca de R$ 14 milhões na construção de um terminal, com capacidade para receber até 60 mil pessoas por mês, mas não opera mais no aeroporto de Itanhaém, desde abril de 2018. A estatal tinha o local para voos dedicados ao transporte de funcionários e terceirizados da empresa para as plataformas de Merluza e Mexilhão, na Bacia de Santos.

Quando deixou de operar em Itanhaém, a Petrobras passou a fretar voos no aeroporto de Jacarepaguá, no estado do Rio de Janeiro. Com a decisão da estatal, a economia foi afetada, pois, além de hotéis, pousadas e restaurantes, também o setor de transportes, como táxis e fretamentos, sentiram o fim das operações off-shore.

 “A Petrobrás criou expectativa e depois foi embora, sem dar satisfação, e nos deixou com um vácuo econômico, que atingiu a Região como um todo, inclusive a construção civil, umas das atividades que estavam em franco crescimento na época”, destaca o secretário-executivo da Uvebs, Pedro Garofalo.

Para o presidente do colegiado, vereador Roberto Andrade e Silva, o Betinho (MDB-Praia Grande), é preciso vontade política para recuperar o patamar do aeroporto. “Entendemos que o modal aéreo é, sem dúvida, um incentivador da economia de qualquer Região. Durante alguns anos, este aeroporto teve papel importante nas operações off-shore, e por decisão política e inércia, perdemos esta operação. Com isso, o aeroporto de Itanhaém ficou em segundo plano”.

A ideia do colegiado é suprir esta falta com o turismo — a verdadeira vocação da Região — que pode ser impulsionado através de projetos metropolitanos, a partir de voos diretos para a Baixada Santista e programas de visitação integrados, contemplando os nove municípios da Região. “Queremos ser uma entidade parceira no desenvolvimento, para a geração de empregos e crescimento da economia regional do Litoral Sul e Vale do Ribeira. Queremos fazer com que este modal tenha papel importante no turismo, e que se una aos outros modais, como o rodoviário — com ligação à Rodovia Padre Manoel da Nóbrega — e o Porto de Santos, que volte a ter sua importância econômica, ajudando no turismo e a desenvolver a economia de Itanhaém, entendendo que não há qualquer relação ou interferência negativa, que venha a atrapalhar outros projetos, como o aeroporto civil de Guarujá e o aeródromo Andaraguá, em Praia Grande”, finalizou.

Christiane Disconsi Ver tudo

Christiane Disconsi é jornalista, cientista política, pós-graduada em Marketing Digital e beer sommelière, certificada pelo Senac. Tem passagem como editora-chefe de jornal impresso e sólida experiência em PR, com destaque para a área política/governamental.

%d blogueiros gostam disto: