Ir para conteúdo

Uvebs prepara raio-x da saúde para entregar ao secretário

Um documento com as principais reivindicações do setor na Região está sendo preparado pela União dos Vereadores da Baixada Santista (Uvebs) para ser entregue ao secretário de Saúde do Estado, José Henrique Germann Ferreira, que deve visitar a Baixada no próximo dia 11.

No documento, constam levantamentos e dados estatísticos colhidos junto às secretarias municipais de cada uma das nove cidades da Baixada Santista e também a opinião dos membros da diretoria da Uvebs, de acordo com as experiências que vivem junto à população. “O vereador é o ente mais próximo da comunidade, portanto esta opinião é fundamental, pois reflete de maneira mais fiel os anseios reais da população que precisa do sistema e procura o vereador em busca de soluções”, ressalta o presidente da Uvebs, Roberto Andrade e Silva, o Betinho.

Para o colegiado, o tema principal hoje é enfrentar o problema da falta de transparência na Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (Cross), que é o que regula as vagas em UTIs e leitos nos hospitais públicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na Região.

Segundo os parlamentares, não há informações sobre a maneira como o Estado faz a distribuição das vagas dos leitos hospitalares atualmente. “Sabemos da demanda dos municípios, mas não entendemos quais são os critérios de prioridades para que as vagas sejam ofertadas aos pacientes que necessitam de tratamento”, ressalta Betinho.

O vereador esteve presente em audiência pública sobre o sistema Cross, na Câmara de Santos, na última sexta-feira, dia 28. O evento foi promovido pelas frentes parlamentares em Defesa da Baixada Santista e Vale do Ribeira, coordenada pelo deputado estadual Caio França (PSB), e em Prol de Melhorias no Sistema de Saúde da Baixada Santista, liderada pelo deputado estadual Paulo Corrêa (Patri). 

Na ocasião, a Uvebs defendeu a descentralização do Cross. “Durante audiência, ficou claro que há falta de vagas. Mesmo que os leitos sejam concentrados entre Baixada Santista e Vale do Ribeira há pouca oferta. Além disso, entre Bertioga e Registro são mais de 200 quilômetros de distância. Se considerarmos este fator, a Capital ou a região do ABC são mais próximas e ainda têm oferta maior. Por isso, as vagas precisam ser buscadas também na Capital e no ABC”, ressaltou Betinho.

Durante a audiência, dados apresentados pela diretora regional da Secretaria de Saúde, Paula Covas, dão conta de que o Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande, é responsável por 25% dos atendimentos da Cross, no qual o estado tem 76 leitos contratados para urgência e emergência; já a Santa Casa de Santos, com 395 leitos, atende pouco mais de 4,4%.

O baixo índice da Santa Casa em relação aos atendimentos se dá porque Santos contrata diretamente os leitos, sem passar pelo sistema estadual, e cuida de parte da própria regulação. Por isso, a Prefeitura de Praia Grande defende que o estado deva alterar o decreto que criou a Central, em 2010, para regularizar essa discrepância.

Christiane Disconsi Ver tudo

Christiane Disconsi é jornalista, cientista política, pós-graduada em Marketing Digital e beer sommelière, certificada pelo Senac. Tem passagem como editora-chefe de jornal impresso e sólida experiência em PR, com destaque para a área política/governamental.

%d blogueiros gostam disto: